Desconectar: existe tal coisa?

cluster-map-of-technology-companies-across-sectors-2010-c2a9-2011-quid-inc

Hoje em dia, as gerações se definem por poder estar conectados ao mundo o tempo todo.

Não há muito tempo atrás, era normal ter uma diferença entre a vida pessoal e a vida profissional.  Por que isso importa? A tecnologia eletrônica cessou de ser uma coisa de benefício e se tornou uma necessidade. Amie e Rita são colegas de trabalho e entre as duas existe uma grande diferença entre idade. As duas usam tecnologia, mas elas têm uma ideia diferente de como a tecnologia participa cada dia em suas vidas.

Hoje em dia, a tecnologia é tão prevalente em nossa vida diária que os mundos duma pessoa existem num estado de mistura. Isso resulta dos novos aparelhos eletrônicos como o telefone, o computador ou o tablete. Como resultado, na maioria dos casos, se eliminou as fronteiras desses mundos individualizados, tornando-se absolutamente impossível de realmente poder se desconectar.

Amie é uma jovem que usa a tecnologia para poder se comunicar com noventa por cento de todas a pessoas em sua vida. Mas ela também a usa para estar na internet e usar vários aplicativos em seu telefone. Em sua vida profissional ela tem que sempre estar comunicando-se com muitas pessoas ao mesmo tempo. Rita comparta da mesma experiência no trabalho, mas ela usa a tecnologia em sua vida pessoal para se comunicar com sua família. E ela só usa o aplicativo do Facebook.  Além disso, as duas mulheres expressaram que nunca estão desconectadas realmente da tecnologia.

Ao perguntar-lhes qual é o impacto da tecnologia em sua vida, se pode ver uma diferença no pensamento das gerações. Amie diz que não poder viver sem ela, “É fantástico. Eu simplesmente não compreendo como meus pais conseguiram passar pela vida sem ela.” Sua resposta não é chocante, é o pensamento de hoje. Rita explicou que ela entende a necessidade, mas, ela diz que ela poder viver sem ele.

Na realidade, as pessoas dependem demais da tecnologia. Ainda que Rita disse que ela não precisa da tecnologia, não é certo. Em qualquer momento no dia, ela sempre está no telefone falando com seus filhos ou ela está mostrando fotos de seus netos no facebook. Por outro lado, Amie não tinha vergonha de dizer que ela passa quinze horas ou mais, usando algum aparelho eletrônico. Ela percebe que é um vício, mas ela não considera um problema.

Amie e Rita demostram o problema de poder se desconectar e sempre não é culpa deles. Quando a tecnologia está na frente de você, é óbvio que será usada todo o tempo. Ela se começa a tornar-se a norma social.  O único problema é que as pessoas não são tão conscientes disso.

http://blog.ted.com/fellows-friday-with-sean-gourley/

Advertisements

Memória Gastronômica Romậntica

Por Alma Obregón

A minha memória gastronômica tem que ver com meu namorado ano passado. Ele estuda na faculdade de Tucson chamada Pima, para ser Chef algum dia. No  ano passado, ele fez sushi para mim porque era meu aniversário. Minha família, eu e ele viajamos para Las Vegas, e quando regressamos ele fez uma comida especial para mim.

Eu não achei que ele teria planejado algo assim para mim. Quando eu regressei da universidade ele cozinhou. Cozinhar é  algo que ele não faz muito. Ele não tem muito tempo na faculdade de Tucson, mas o sushi que ele fez estava legal. Eu fiquei surpreendida. Esta memória é muito boa, a comida estava muito gostosa. Ele decorou o platô com corações, e sushi foi do camarão e verduras. Ele também comprou vinho para que pudéssemos ter uma noite bonita.

Fonte da imagem: http://www.brides.com/blogs/aisle-say/2012/10/dietary-restrictions-on-honeymoon.html

Paris

Em meu aniversário número 17, meus pais me deram uma viagem à Europa. A razão é porque minha tia morava na Suíça e eu sempre quis viajar para lá.
Minha viagem durou um mês durante o verão de 2010. Quando estava lá, eu conheci diferentes cidades. Eu fui par a França, a Suíça e a Itália. Na Suíça, eu conheci Genebra, Basel e Zurique.
Depois nós viajamos pela Itália, onde fomos para Roma,  Florência e Venezia. Na França, nós fomos para Marseille, Nice, Chamonix-Monte-Branco, e finalmente Paris, onde eu fiquei apaixonada pela cultura, a língua, e a cidade. Paris foi a cidade que mais gostei. Nesse lugar as pessoas podem fazer muitas coisas legais, mas os lugares mais famosos para visitar são a Torre Eiffel, o Louvre, Notre Dame e Champs- Elysées. Para mim, a Torre Eiffle é de tirar o fôlego!
Se você quiser fazer algo muito francês, pode visitar os vários cafés nas ruas e comer crepes e os macaroons.
Se você quiser que sua viagem tenha o espírito mochileiro, em Paris há muitos hostels. Eu fiquei em umo e é uma experiência muito legal, onde fiz muitos amigos de diferentes partes do mundo.
Em Paris vale a pena fazer tudo! Mas você ter que conhecer os lugares clássicos. Recomendo viajar para lá, porque acho que é uma experiência que você nunca vai esquecer.

Fonte da imagem: Fonte: http://dfghj7h6esbng.cloudfront.net/wp-content/uploads/2014/01/torre-eiffel-de-par-s-fondos-pantalla-814833.jpg

Relato da Viagem a Fortaleza

Minha viagem ao Brasil foi inesquecível. Fortaleza é um lugar que tem muitos restaurantes bons. A comida como a pizza e o hambúrguer de lá acho que gostei mais que as pizzas e hambúrgueres daqui. As pessoas são muito amigáveis e divertidas. Eu adorei a música, a cidade, os centros culturais e  as praias. Estive no Brasil por 6 semanas e acho foi muito pouco para explorar todos os lugares de lá. É necessário ir passar a tarde na praia, em uma barraca. A praia que eu fui se chama Praia do Futuro e é muito bonita. Tem pescadores que vendem camarões e caranguejos que você pode comprar e pedir que preparem. Eu adorei as barracas pela comida e também porque isso é algo que não tem em muitas praias em outros lugares. Imagine estar tomando sol quando de repente lhe tem um refresco gelado ou um suco natural para se refrescar. Isso é possível nas praias do Brasil por meio das barracas.  Se você vai para Praia do Futuro eu recomendo a barraca chamada Casa da Praia.

Displaying praia do futuro.jpg

O cheiro e o sabor da felicidade

Bolo de rum

Eu sinto que doces e sobremesas podem ser subestimados. Eu não estou dizendo que eles não são bons, mas que eu não sou apaixonada por eles como outros são. Entretanto, a comida que me marcou a vida foi o bolo de rum que minha amiga Bonnie costumava fazer quando nós trabalhamos juntas.  Imagina o cheiro de rum e açúcar cristalizado. Eu associo esse cheiro com a felicidade e memórias de estar com meus melhores amigos. Depois que você se embriagar pelos deliciosos cheiros, não há nada melhor do que cortar o bolo acastanhado e úmido. Quando eu comi o primeiro pedaço, eu lembro que a textura foi muito suave e crocante, mas minha boca se encheu com o cheiro doce do rum. É uma comida que eu gosto de comer durante todo o dia não importa o tempo. Neste momento em que escrevo, posso cheirá-lo como se estivesse na minha frente. Eu sonho com poder comer o bolo de rum novamente, mas não tenho tempo de visitar minha amiga.

http://www.mccormick.com/Recipes/Dessert/Easy-Rum-Cake

Memória Gastronômica

No verão em Tucson faz muito calor, especialmente em maio, junho, julho. Meus pais moram no México, mas eu fico aqui para ir a aulas de verão na universidade.
Quase todos meus amigos estão aqui estudando, então no verão, nos fazemos muitas atividades para não estar sozinhos.
Eu tenho muitas comidas favoritas que me lembram de muitas coisas; de minha família, minha cidade e do México. Porém, o ceviche mexicano de camarão esta ligado a um momento especial.
No verão passado, meus amigos e eu começamos com a tradição. Os fins de semana eram os dias que nos não tínhamos aulas então nós fazíamos festas na piscina e t preparávamos ceviche juntos.
Gostava de fazer isso nos fins de semana porque me senti acompanhada e não tinha saudades de minha família. Foram momentos especiais e é a razão porque eu escolhi essa receita para aula.


Fonte: http://content0.tastebook.com/content/photo/user_photo/oqQcAQmK13c213139323435383g8RcEYCw_1359795876.jpg