A Geração Y se preocupa com a cibersegurança

Estudantes na Universidade do Arizona discutem a questão de cibersegurança em geral e como eles se protegem.

cyber-security-hgtc

Hoje, não é incomum que as pessoas tenham todos os detalhes de suas vidas registradas em algum dispositivo digital. Entre os celulares, as redes sociais e a vida profissional, efetivamente existe um banco de dados que inclui informações como biométricas, retratos e interações privadas de cada pessoa que vive uma vida contemporânea. Por isso, a cibersegurança tem se tornado uma preocupação séria para a geração do milênio.

“Eu morreria sem o meu celular. O uso para absolutamente tudo—nem trouxe a minha carteira comigo hoje, mas não estou preocupado porque posso usar ApplePay se preciso comprar algo”, disse Jose, um estante de Direito na Universidade. Sem surpresa, ele não está sozinho. Num estudo feito por FICO, encontraram que 80% da geração do milênio faz todas as suas transações bancárias digitalmente.

Mas considerando a controvérsia recém onde vazaram as fotografias dos celulares das celebridades, outra estudante não concorda. Stacy, uma estudante de Espanhol falou: “Eu não uso ApplePay. De fato, nem gosto de pôr o meu nome completo em formulários digitais. Não seria bom se uma pessoa pudesse fazer uma pesquisa no Google e encontrar todos os meus dados pessoais.”

A preocupação de muitas pessoas jovens como Stacy não é sem razão. Em face das eleições presidenciais nos Estados Unidos e a publicação dos e-mails de candidata Hillary Clinton por Wikileaks, a questão da privacidade em relação ao governo tem entrado nas mentes de todos.  Austin Mullen, um graduado recente da Universidade, por exemplo, opina que em casos como o de Secretária Clinton e outros como o massacre de São Bernardino em 2015, é importante que o governo tenha acesso a certos dados pessoais dessas pessoas. Não obstante, os leigos merecem um certo nível de privacidade nas suas vidas virtuais.  Ou nas palavras de Gilberto, outro estudante na Universidade, “os políticos merecem o mesmo nível de privacidade que os não políticos, mas coisas mudam quando conseguem um cargo público.”

Dessa forma, é lógico que a cibersegurança em 2016 é um problema complexo. Só o tempo irá dizer quais são as implicações nos anos vindouros.

Reportagem por Vicente Reyna

Advertisements

One thought on “A Geração Y se preocupa com a cibersegurança

  1. Eu concordo, nossa geração tem preocupas que são distintas a outras. Em nosso mundo, as vidas digitais são uma parte crucial mais ainda não encontramos o balance entre privacidade e a cibersegurança. – Araceli

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s